Skip to Main Content

INTRODUÇÃO

Os distúrbios das glândulas suprarrenais resultam em síndromes endócrinas clássicas, como síndrome de Cushing, hiperaldosteronismo e excesso de catecolaminas do feocromocitoma (Fig. 31–1). O diagnóstico desses distúrbios requer avaliação endócrina e de imagem cuidadosa, com tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM). Além disso, muitas lesões suprarrenais são descobertas em imagem de corte transversal feita por outros motivos. Esses “incidentalomas” precisam de avaliação metabólica para determinar a necessidade de tratamento.

Figura 31–1

As relações hipotalâmicas-hipofisárias-adrenocorticais em várias síndromes adrenocorticais.

DOENÇAS DO CÓRTEX SUPRARRENAL

SÍNDROME DE CUSHING

A síndrome de Cushing é o distúrbio clínico causado por excesso de produção de cortisol. A maioria dos casos (80%) deve-se à hiperplasia adrenocortical bilateral estimulada por hiperprodução de hormônio adrenocorticotrófico hipofisário (ACTH), conhecida como doença de Cushing. Cerca de 10% dos casos são devidos à produção ectópica de ACTH por tumores não hipofisários. A produção ectópica de ACTH ocorre mais frequentemente no carcinoma pulmonar de células pequenas; outros tumores que produzem ACTH incluem carcinoides (pulmão, timo, trato gastrintestinal), tumores de células das ilhotas do pâncreas, carcinoma medular da tireoide, feocromocitoma e carcinoma de células pequenas da próstata. O adenoma suprarrenal é a causa em 5% dos casos, e o carcinoma, em 5%. Em crianças, o carcinoma adrenocortical é a causa mais comum de síndrome de Cushing.

Fisiopatologia

A hiperprodução de cortisol pelo tecido adrenocortical leva a um estado catabólico. Isso causa liberação de aminoácidos do tecido muscular, os quais são transformados em glicose e glicogênio no fígado por gliconeogênese. O resultante enfraquecimento de estruturas de proteína (músculo e tecido elástico) causa um abdome protuberante e má cicatrização de feridas, fraqueza muscular generalizada e osteoporose acentuada, que piora pela perda excessiva de cálcio na urina.

Além disso, a glicose é transformada em grande parte em gordura e aparece em locais característicos, como abdome, coxins gordurosos supraclaviculares e bochechas. Há uma tendência ao diabetes, com uma glicemia plasmática em jejum elevada em 20% dos casos e tolerância à glicose anormal em 80% dos pacientes.

O excesso de cortisol também suprime mecanismos imunes, tornando os pacientes suscetíveis a infecções. A inibição da função dos fibroblastos pelo excesso de cortisol interfere ainda mais com a cicatrização de feridas.

A hipertensão está presente em 90% dos casos. Embora o nível da aldosterona geralmente não esteja elevado, o próprio cortisol exerce um efeito hipertensivo, quando presente em quantidades excessivas, como o faz a 11-desoxicorticosterona. A hipertensão pode ser acompanhada por manifestações de excesso de mineralocorticoides (hipocalemia e alcalose), especialmente em pacientes com síndrome de ACTH ectópico ou carcinoma adrenocortical.

Patologia

As células na hiperplasia suprarrenal assemelham-se àquelas na zona fasciculada do córtex suprarrenal normal. O ...

Pop-up div Successfully Displayed

This div only appears when the trigger link is hovered over. Otherwise it is hidden from view.