Skip to Main Content

INTRODUÇÃO

O crescimento e a maturação celular são eventos normais no desenvolvimento dos órgãos durante embriogênese, crescimento e reparo e remodelação de tecidos após lesão. A regulação desordenada desses processos pode resultar em perda de controle sobre o crescimento, diferenciação e confinamento espacial das células. As neoplasias humanas representam coletivamente um espectro de doenças caracterizadas por crescimento anormal de células, resultando em arquitetura distorcida de tecidos. Embora os cânceres sejam classificados, geralmente, por seus tecidos de origem ou localização anatômica, muitos aspectos são compartilhados por todos os tipos. Também há variação considerável entre pacientes com um certo tipo de câncer quanto à natureza das alterações celulares, bem como à apresentação clínica e à evolução da doença. O reconhecimento de franca malignidade por exame físico ou estudo de imagem requer a presença no corpo de cerca de 1 bilhão de células malignas. Uma fase pré-clínica algumas vezes pode ser reconhecida. Entre outros, os sinais pré-clínicos podem consistir em pólipos no colo ou nevos displásicos na pele, precursores potenciais de carcinoma do colo e melanoma maligno, respectivamente. Essas lesões precursoras geralmente têm anormalidades genéticas moleculares e exibem aspectos de proliferação celular anormal sem demonstração de atividade invasiva, e podem preceder o desenvolvimento da neoplasia maligna invasiva por meses a anos, ou podem não progredir para câncer durante a vida do indivíduo. Mais comumente, a fase pré-clínica fica sem detecção até que o câncer invasivo, ocasionalmente com metástases regionais ou distantes, já esteja presente. Como é o caso com outros distúrbios médicos, a compreensão da fisiopatologia da neoplasia tem sido baseada em observações clínicas e patológicas de grandes grupos de pacientes. Recentemente, aspectos celulares e moleculares de células cancerígenas têm sido descritos, e suas relações com certas entidades neoplásicas e situações clínicas têm ampliado o conhecimento neste campo.

PONTO DE CHECAGEM

  • 1. O que é a fase pré-clínica do câncer?

  • 2. Quantas células malignas devem estar presentes antes que sinais visíveis de câncer estejam evidentes?

BASE MOLECULAR E BIOQUÍMICA DAS NEOPLASIAS

O processo de neoplasia é um resultado de alterações progressivas da função celular. Essas alterações fenotípicas conferem os potenciais proliferativo, invasivo e metastático que constituem a marca do câncer. Acredita-se, de modo geral – embora não comprovado conclusivamente –, que alterações genéticas estejam por trás de todas as anormalidades celulares e bioquímicas responsáveis pelo fenótipo maligno. Além das alterações mutacionais que alteram o código genético, mudanças epigenéticas também estão por trás de tais anormalidades. Fenômenos epigenéticos influenciam a expressão de genes e o comportamento celular, mas, embora uma vez adquiridos eles sejam transmitidos às células-filhas com a divisão celular, eles não são alterações do código genético. Um exemplo disso é o silenciamento de certos genes por hipermetilação de DNA na região promotora. Um número crescente de alterações genéticas e celulares está sendo catalogado a partir do estudo de células cancerígenas, tanto in vivo, a partir de tumores primários de pacientes, quanto in ...

Pop-up div Successfully Displayed

This div only appears when the trigger link is hovered over. Otherwise it is hidden from view.